npcs-1

#26 Podcast D30 – NPC’s

velhinhaVoltando às dicas para mestres e jogadores, vamos falar um pouco sobre NPCs, os personagens que o mestre cria e que povoam o mundo, do guarda que abre as portas do castelo à dona da taverna que espalha rumores e passa informações.

E nossas experiências mestrando aparecem numa conversa sobre as 400 aventuras que preparamos, e as mil vezes em que os jogadores decidiram ir pro outro lado, e conversar com o NPC que você não havia nem pensado em preparar! 

Junte-se a Gene Cavalcante, Marcello Larcher e eu, Janary Damacena, e comece a fazer NPCs muito mais interessantes!

Para escutar clique aqui: 

 

 

E ATENÇÃO: Não esqueçam que seu comentário é fundamental para sabermos o que está indo bem, o que desagrada, temas futuros, sugestões e afins. Então, deixe seu recado aqui no site ou envie pelo nosso Facebook, ou ainda pelo e-mail d30rpg@gmail.com

Para download clique com o botão direito do mouse e a opção “salvar como” em um dos seguintes links: MP3ZIP. Para acrescentar nosso podcast no I-tunes é só seguir esse endereço.

Algo do que rolou no podcast:

Raklot

NPCsNPCs, um livro de  Drew Hayes

Perdido Street Station, de China Mielville 

Bernard Cornwell

Porto Blacksand

D&D: Forgotten Realms

Lobisomem: O Apocalipse

Vampiro: A Máscara

Dungeon World

D&D: Hoard of the Dragon Queen

Pathfinder: Rival Guide

BlackAFFStar Wars: Fronteiras do Império

Castelo Falkenstein

Ars Magica

Pendragon

Lankhmar

Advanced Fighting Fantasy

Yggdrasill RPG

 

Comments

  1. Olá a todos. Gostei muito desse cast. Isso me trouxe memórias sobre o meu NPC mais marcante, que decidi compartilhar com vocês (mesmo vocês não pedindo rs)
    O NPC mais marcante pra mim foi um Tiefling Warlock que nome Kayron, que sempre cumpria os acordos que fazia e era o vilão da campanha que eu mestrava. Embora fosse proporcionalmente menos poderoso que o grupo, ele era marcante porque ele era um manipulador inteligente, que sempre se colocava em vantagem ao negociar com os outros. Sendo inteligente, ele meio que se preparava ao confrontar o grupo, seja através de reféns, seja manipulando o novo, e inocente, personagem do grupo para agir por ele. Nem sempre os planos davam certo, é claro, mas era interessante ver a reação dos jogadores quando ele aparecia oferecendo uma solução para um problema em troca de “um pequeno favor”.

    No fim, ele enganava todo mundo, incluindo os vilões secundários e seu próprio patrono, obteve poderes semi-fenomenais, quase cósmicos , mas morreu no combate com o grupo.
    Foi uma boa campanha.

Leave a Comment