D30 avalia as novas fichas de D&D

ll_20140609Oi, aqui é a Menina-gato, e nem preciso dizer o quanto estou ansiosa com a chegada do D&D Next, já que eu sou uma daquelas pessoas que reforça o coro “a quarta edição parece videogame”.

Nós do D30 estamos acompanhando de perto cada novidade que sai sobre a esperada quinta edição e eu decidi escrever um pouco sobre as minhas primeiras impressões sobre as primeiras pistas que a gente tem: as fichas do Starter Set. Vamos lá!

  1. A ficha diminuiu

A ficha está praticamente com a metade do tamanho da anterior. Se você observar bem, para jogar você usa somente a frente da ficha. O verso vem com dicas de roleplay e como subir o personagem de nível. Eu acho que isso deixa o jogo mais prático. A pior coisa do mundo é ficar folheando mil páginas pra procurar o que você vai fazer quando o DM te chama pra interagir.

  1. Mais roleplay!

Pra mim a ênfase no roleplay e na interpretação mais aprofundada ficou clara. Se você comparar essa ficha com as versões anteriores, saíram aquele monte de número de skills, que só serviam para rolar dado. No mesmo lugar, na lateral direita da ficha, entraram informações muito interessantes para enriquecer o personagem. Traços de personalidade, ideais, vínculos e defeitos. Com isso dá pra construir um personagem bem único e ter uma ideia de como ele vai reagir às situações, evitando o clássico roleplay de eu mesmo ou do chato de plantão.

  1. photo1-2Equipamento veio pra primeira folha

Muita gente vai achar que o espaço pra equipamento ficou pequeno, mas, eu achei ótimo ele ficar na primeira folha. Claro que aqui vai entrar apenas o que o personagem carrega no corpo, né? Se ele tem um baú com jóias e pergaminhos, isso pode ficar em outra página. O importante é ter acesso rápido ao que você sempre usa, e isso ficou mais fácil.

  1. Saves contra a morte? Sério?

Incluíram uma área para você anotar os saves na primeira página. Explico. Quando o seu personagem cai e fica com HP negativo, você faz os testes para estabilizar ou continuar morrendo. Para isso que serve esse espaço. Achei meio inútil fazer um registro de uma coisa tão passageira em um espaço nobre e que podia ser melhor utilizado. Afinal, morreu, morreu, novo personagem, né?

Agora, vamos para as especificidades de cada ficha!

  1. A ficha do mago elfo

Achei que essa ficha ficou especialmente boa. No verso, onde tem a descrição do elfo, com apenas duas frases eles dão a dica certa para o roleplay de um elfo: Elfos amam a natureza e a magia, arte, musica e poesia. Elfos vivem mais de 700 anos. Eles são mais frequentemente entretidos ou satisfeitos que excitados e mais comunmente curiosos do que gananciosos. Com isso já da pra imaginar um Dr. Spock bem racional mas com um lado artístico mais forte do que o do Data. Afinal, é mesmo difícil imaginar como se comporta um elfo nas interações sociais, já que ninguém nunca conheceu um. O mago começa mais forte do que na terceira edição. Ele pode preparar mais magias do que vai usar e recuperar magias com um pouco de descanso e estudo do livro de magia. Não precisa dormir/meditar/passar a noite para isso.

  1. A ficha do clérigo

Além dos comentários gerais que se aplicam nas demais fichas, não gostei da descrição do anão. Diferente do elfo, que dá uma dica boa de roleplay, essa ficha traz uma série de informações sobre a sociedade dos anões, o que não ajuda em nada na interpretação da personalidade e tomada de decisões.

  1. As fichas dos guerreiros

Essa eu achei realmente revolucionária do ponto de vista de facilitar o roleplay. Eles escolheram fazer uma ficha de um guerreiro nobre e que é um pouco ganancioso. Com os traços de personalidade, ideais, vínculos e defeitos (ver item 2) você pode claramente imaginar o personagem e suas reações. E o melhor, aquele estereótipo de um guerreiro burro que dá porrada e passa o resto da aventura calado cai por terra, já que o personagem é nobre e terá assim várias oportunidades de interação social. Acho que vai ficar menos restrito. Aquilo de o bardo fala pelo grupo, o guerreiro bate e o mago flamba as pessoas vai ter mais nuances, com uma participação maior dos personagens em todas as cenas. Pelo menos, eu acho que promete.

A segunda ficha de guerreiro é de um arqueiro, herói popular. Ele também traz acréscimos interessantes e que podem enriquecer a história. Por exemplo, quer ver o mundo livre de dragões. Muito legal que mantiveram o Retomar Fôlego para o guerreiro se recuperar durante o combate, acho que faz uma baita diferença.

  1. A ficha do rogue

Essa ficha, como a do mago, traz no verso dicas importantes para facilitar o roleplay do halfling. No background, também traz uma vingança pessoal. Quando uma ficha vem com essa riqueza de detalhes ela acaba ajudando o mestre na construção de histórias e permite que o personagem participe mais da aventura. Um pequeno passo, um pouco na linha dos RPGs indies, onde a narrativa é compartilhada. Nas características e traços vem novamente uma quantidade importante de informações de forma descritiva sobre as habilidades do personagem, sem ficar preso à antiga rolagem de skills. Mais roleplay e menos rola dado.

É isso aí. No geral, gostei muito e estou ansiosa para ver a definitiva. Enquanto isso, vou jogando o playtest com o ML. Miau!

 

 

Sobre Menina-gato

Menina Gato escreveu 29 posts neste blog.

Menina-gato. Fã de carterinha de RPGs medievais e de terror, gosta também de jogar no computador. Os favoritos são D&D e Cthullu.

Comments

  1. Com relação a ficha ter uma página, eu realmente acredito que seja só a do starter e que a oficial será maior com mais espaço e mais páginas.

    1. Mas se ela aumentar e mantiver as informações que você usa no jogo só na folha da frente eu acho que já é ganho. Me parece melhor organizada a informação assim. 🙂

      1. E de fato aumentou no Basic. Duas páginas a mais.
        O que mais gostei foi uma página inteira só pra magias. Era horrível usar o espaço limitado pra magias do D&D 3.x.

  2. Muito legal este post!
    Eu sou fã de D&D 4e e estou empolgadíssimo com a 5e. Uma coisa não exclui a outra né? XD
    Quanto ao campo “Save vs Death” provavelmente é uma das várias mecânicas retiradas do 4e.
    O personagem ao atingir 0 pv precisa fazer saves todo turno. A cada falha ele se aproxima da morte. Com três, ele morre.
    Os personagens tem maneiras de interferir com isso através de magia e de primeiros socorros. Estabilizar um personagem, significa que ele não precisa mais rolar o save, ficando apenas inconsciente até ser curado.

Deixe uma resposta para Rey Ooze Cancelar resposta