Hoje é dia de Fiasco!

Pessoal, nessa sexta trazemos a resenha deste divertidíssimo RPG Indie, porém, como temos dois grandes admiradores deste jogo no grupo D30, esta é nossa primeira resenha em conjunto, feita por nosso amigo Bebeto e por mim, Mallien, esperamos que apreciem.

 FIASCO

Seus planos mirabolantes deram errado? Sua mulher te traiu e fugiu com seu melhor amigo? Seu irmão te deu um tiro pelas costas? Seu patrão está ligado a um esquema de corrupção e te colocou como bode expiatório? Teu melhor amigo fez um despacho no seu nome? É meu amigo, isso é um Fiasco!


Fiasco é uma das grandes novidades no cenário Indie de RPG, criado por Jason Morningstar (publicado pela editora Bully Pulpit originalmente, e trazido para o Brasil pela Editora Retropunk). O jogo reproduz situações de desastre total baseado em filmes como Fargo, Um Plano Simples, Queime Depois de Ler, Jogos Trapaças e Dois Canos Fumegantes, Gosto por Sangue, entre outros onde tudo geralmente dá errado.

Ganhador do Indie RPG Awards de 2009 como Melhor Suporte, Fiasco enfatiza uma forma de jogo que vem sendo muito bem explorada pelos novos RPG’s independentes, focando na narrativa em vez da mecânica, também conhecido como RPG Colaborativo.

A primeira quebra dessa corrente é o fato de não haver um Mestre de Jogo. Isso mesmo, não há aquele ser onipresente e onipotente que guia os jogadores através de uma estória. Em Fiasco, a narrativa é compartilhada por todos os jogadores, cada um conta um pedacinho e o conjunto cria a estória! A segunda quebra é o fato de cada sessão ser um jogo diferente, onde se pode explorar vários cenários e situações novas em cada partida. Não há o abandono da aleatoriedade, ainda usamos os dados – dados até demais a meu ver – e eles possuem funções diferentes durante o jogo além do bom e velho “Falha e Sucesso” que conhecemos.

O livro base do jogo parece um tanto complexo para quem lê a primeira vez, tanto que ele indica para aqueles não familiarizados com esse tipo de jogo irem direto para o capítulo entitulado “Replay“. Ali há um exemplo de uma sessão resumida que torna tudo mais claro e acessível.  Outro ponto que ajuda a compreender melhor as regras é escutar uma gravação de um jogo ou conversar com quem já jogou. O sistema não possui regras complicadas, mas carrega uma escrita pouco formal, o que causa dificuldades para entender certos termos, mas nada que a sua primeira sessão não de jeito! Outra coisa que devo ressaltar é que no final do livro há uma Filmografia feita pelo autor que é realmente admirável, vale a pena conferir e por que não assistir alguns dos títulos citados.

O jogo é divido em 5 partes:

A Preparação – Esse primeiro momento e usado para a criação dos personagens através do estabelecimento das relações entre os jogadores, estas relações são anotadas em pequenos folhas de papel que ficam entre cada um dos jogadores participantes. Nesta fase deve-se soltar a criatividade, crie npcs e outros elementos que se encaixem com o relacionamento existente entre os jogadores, um exemplo aconteceu na nossa partida onde na criação dos relacionamentos surgiu o NPC Doutor Santana. Lembrando que essas informações são referentes às Relações e os Detalhes. As Relações e Detalhes de uma partida são alterados de acordo com o cenário escolhido, sendo que cada Play-Set (como os cenários são chamados) possui algumas coisas mais específicas para seu próprio desenvolvimento. O livro conta com 4 cenários (“Rua principal”, “Boomtown ”, “Histórias de Subúrbio” e “O Gelo”.

Ato Um – O jogo começa de fato, cada um dos participantes, na sua vez, deve escolher se quer estabelecer a cena ou resolvê-la. Caso o mesmo, queira estabelecer esse deve narrar a cena seja do passado ou nos dias atuais envolvendo seu personagem como foco principal e algum outro(s) jogador(es) , caso ele prefira resolver os outros jogadores é que estabelecem a cena, e o jogador em questão é que irá concluir a mesma. Nestas cenas cada jogador deve lembrar-se de usar suas relações estabelecidas na fase de preparação. A maior dificuldade nesta parte do jogo é o “quebra-gelo”, principalmente se tiver jogadores novos. Pois todos ficam meio perdidos e não sabem como lidar com a cena do seu personagem. Meu maior conselho aqui é: Vá em frente e meta a cara! Diga o que seu personagem gostaria de fazer de forma direta e sem rodeios, a partir do primeiro, todos os outros jogadores acabam pegando o espírito da coisa.

A Virada – Ocorre na exata metade do jogo (quando a metade dos dados tiver sido distribuída), os 2 jogadores, escolhidos pela maior pontuação dos dados, escolhem duas reviravoltas da Tabela de Viradas para chacoalhar e mudar o curso da historia. Esta fase determina pra onde o jogo caminhará, então faça a escolha mais improvável e surpreendente que encontrar na tabela para que o jogo realmente tenha uma Virada.

Ato Dois – Aqui começa a segunda metade do jogo, a mudança é que agora em vez do jogador no final dar o dado a alguém de sua escolha o mesmo fica com o dado para si. Outro ponto é que o objetivo agora é levar em consideração as Viradas estabelecidas. Lembre-se sempre que o jogo se chama Fiasco por um motivo óbvio logo nunca as coisas terminam bem, o que em si é o charme principal deste jogo. O divertido aqui é que nesse ponto, todos já estão familiarizados com o jogo e acabam criando um elo com seu personagem e fazem de tudo para que ele seja poupado dos destinos terríveis que o esperam.

Conclusão – Após o Ato Dois, o destino de cada personagem é selado por uma pequena tabela, e com a ajuda dos dados acumulados durante suas cenas, cada um agora terá que guiar os personagens, não necessariamente o seu, para o destino apontado. A narrativa final sempre deve ser algo curto tipo uma sentença, esteja seu personagem vivo ou morto no final da estória.

Uma partida de Fiasco costuma ser rápida – particularmente nunca joguei uma sessão que durasse mais do que uma hora e meia – e extremamente divertida! Dá pra notar que os jogadores se apegam aos seus personagens e se esforçam para deixá-los mais ricos e interessantes a cada Cena. E no fim, acaba que todos se tornam peças chaves no destino uns dos outros mesmo se no começo do jogo alguns deles não tiverem nenhuma relação. Uma dica é atentar para controlar a empolgação de todos no jogo evitando que um personagem atropele a cena daquele que está em foco, algo muito comum de acontecer principalmente na primeira partida.

Fiasco pode ser encontrado na sua versão em português na loja on-line da Editora Retropunk em formato PDF ou Impresso. Há também Play-Sets disponíveis gratuitamente no site da Bully Pulpit que são lançados mensalmente. A Retropunk também lançou um Play-Set brasileiro chamado Rio 40 Graus.

(ATUALIZADO) Disponibilizo para os jogadores interessados a versão que  eu Ricardo Mallen & G. Moraes  da @RetropunkGD fizemos do player mat original usado para se colocar na mesa de jogo, quem quiser baixar nossa versão clique aqui

Caso queira saber mais sobre a mecânica de jogo e suas respectivas fases selecione o texto do nosso SPOILLER (ele se encontra logo abaixo basta usar o mouse e selecionar o espaço para vê-lo) em respeito aqueles que querem conhecer a mecânica jogando.

A Preparação – Cada jogador possui 4 dados (2 brancos e 2 escuros), todos rolam seus dados no centro da mesa, esses dados nesse primeiro momento serão usados para a criação dos personagens através do estabelecimento das relações entre os jogadores. Na sua vez cada um pega um dado que contenha o número do relacionamento desejado, depois que um relacionamento é criado este pode ser detalhado, sempre usando para tanto um dado com o número desejado, essa ação é feita em toda fase de preparação na qual estão envolvida as informações sobre as relações, necessidades, locações e objetos

Ato Um – Cada um dos participantes, na sua vez deve escolher se quer estabelecer a cena ou resolvê-la. Caso o mesmo, queira estabelecer esse deve narrar a cena seja do passado ou nos dias atuais envolvendo seu personagem como foco principal e algum outro(s) jogador(es) , os jogadores então decidem qual dado será dado a esse jogador, um dado branco quer dizer que na conclusão da sua cena ele deve narrar algo bom, já o preto ele deve narrar algo ruim para seu personagem, e ai então escolher alguém para dar o dado que ganhou. Caso ele prefira resolver os outros jogadores é que estabelecem a cena, e o jogador em questão é que escolherá o dado e irá concluir a mesma. Nestas cenas cada jogador deve lembrar-se de usar suas relações estabelecidas na fase de preparação.

A Virada – Ocorre na exata metade do jogo (quando a metade dos dados tiver sido distribuída), os 2 jogadores, escolhidos pela maior pontuação dos dados, escolhem duas reviravoltas da Tabela de Viradas para chacoalhar e mudar o curso da historia.

Ato Dois – Aqui começa a segunda metade do jogo, o objetivo agora é levar em consideração as Viradas estabelecidas.

Conclusão – Após o Ato Dois, o destino de cada personagem é selado por uma pequena tabela, e com a ajuda dos dados acumulados durante suas cenas, cada um agora terá que guiar os personagens, não necessariamente o seu, para o destino apontado. A narrativa final sempre deve ser algo curto tipo uma sentença, seja seu personagem esteja vivo ou morto no final da estória.

No mais disponibilizamos abaixo o áudio do nosso jogo para que todos vocês possam se divertir um pouco com nosso Fiasco! Participaram desse audio: @malliens (eu) do @d30rpg@carvalhocadu , @marcossilva_  do @pensotopia, @hpneto, @tiagommarinho da @seculargames, @capitanmoe  e o Paulo ambos staffs do D30, por último gritos, choros, risadas e falas alienigenas minha filhota Stella.

Para Facilitar a compreensão de todos coloco abaixo o relacionamentos dos personagens que foram criados na preparação.

MarLEyy

Amizade: Amigos que fumam maconha juntos.

Pai Xoxo (Pai de Santo)

Comunidade: Pai de Santo

Dadinho

Crime: Traficante

Baiano (Traficante)

Necessidades de Transar: A força porque ninguém gosta de você.

Esquicitices: Posto 9

Dona Lourdes

Trabalho: Dono de Boteco

Família: Marido e Mulher

Juriswan

Necessidades de ficar Rico: tomando a área de outro traficante

Infortúnio: Macumba com seu nome (Marley)

MarLEY

Agora sim fiquem com o áudio: Clique no Link para download

Um grande abraço!

 

Alberto (bebeto) Miranda – @CapitanMoe

Mallien que  na partida fez de tudo para o destino do Marley ser um FIASCO – @malliens

Sobre Mallien

Ricardo Souza escreveu 50 posts neste blog.

RPGista e Gamer por paixão, profissional de TI por profissão, nerd/geek por vocação e pai babão da pequena padawan e roleplayer in training Costela Maluka.

Comments

  1. Aviso aos navegantes. Teremos 2 mesas de Fiasco no Encontro D30 RPG Indie. Uma pela manhã e a outra a tarde.

  2. Quem ouvir o áudio com certeza via se divertir bastante com a história, e também com algumas trapalhadas nossas ao longo do jogo. Depois que se joga a primeira vez, torna-se importante ter tanto apego pelo seu personagem quanto o George Martin tem pelos personagens dele.

    No mais, eu só tenho uma pergunta: cadê Pai Xoxó??

      1. Infelizmente não. Só relatei tudo logo após o jogo, ainda empolgado com a sessão. A galera ficou com gostinho de quero mais e com vontade de ser mais criativo da próxima vez.

  3. Esse jogo é genial, e eu estive com o pessoal que editou isso nos EUA. lá, como aqui, as editoras indies estavam todas juntas paa conseguir divulgar os trabalhos… e parabéns pelo jogo tão “educacional”. 🙂

  4. Pingback: Microscope: com certeza épico, nem tanto RPG | D30 RPG

Leave a Comment