#69 PODCAST D30 – Consciência Negra e RPG

Na semana em que comemoramos o dia da Consciência Negra, o Marcello Larcher estava editando uma matéria no trabalho dele e ficou inquieto. “Temos falado de tantas coisas, mas não falamos dessa desigualdade que é tão forte no Brasil”. Num saque rápido de amigos, reunimos dois mestres que já ajudaram muito no D30, e representam bem a questão.

Falaram de como diversificar nossos jogos, e de suas relações com a cor e as questões raciais no RPG, sempre com o mote da vez no D30, “se você consegue aprender Gurps, também consegue aprender a viver melhor”!

Ouçam aí, ML e Gene Cavalcante, juntos com os mestres Carlos Adão e José Marcelo. Dessa vez eu fiquei de fora do melhor Podcast dobre RPG do Mundo!

Agradecimentos especiais à Ludoteca BGC pelo espaço para gravar esse podcast!

 

| Open Player in New Window

E ATENÇÃO: Não esqueça que seu comentário é fundamental para sabermos o que está indo bem, o que desagrada, temas futuros, sugestões e afins. Então, deixe seu recado aqui no site ou envie pelo nosso Facebook, ou ainda pelo e-mail d30rpg@gmail.com. Também temos um grupo de whatsappaqui está o link, mas pode usar o código QR ali do lado.

Para download clique com o botão direito do mouse e a opção “salvar como” no seguinte link: MP3. Para acrescentar nosso podcast no I-tunes é só seguir esse endereço, e agora estamos também no Spotify!

Um pouco do que a gente falou no podcast:

Earthdawn

Dragonlance

Guran

Pierre Verge

Benin

Shakasulu

capitão negro

Mutantes e Malfeitores

Star Trek

Aeon Trinity

 

Sobre Janary Damacena

Janary Damacena escreveu 141 posts neste blog.

Sempre interessado em narrações fantásticas e de horror, apreciador de boa interpretação e defensor da regra de ouro.

Comments

  1. Foi um prazer colossal participar dessa edição. Grande abraço!

  2. Melhor que o termo “raças” em RPG de fantasia ou ficção, seria “povos” (ou etnias), como o lendário povo gato da Marvel, ou o temido povo serpente, da mitologia de Robert E. Howard, mas também como esse agregado de clã e cultura das diversas “nações” humanas.
    Quando elaborei meu ensaio acadêmico “Identidades em Jogo”, sobre D&D 3ª edição, percebi tanto o mencionado eurocentrismo mitológico quanto a metáfora do meio-orc da “periferia”, embora fosse um estudo mais editorial e de narratologia do que sociológico.
    Realmente, sentimos falta de um continente negro em Forgotten Realms, que tem tantos reinos orientais e até ameríndios.
    Vocês podiam ter mencionado também o RPG Desafio dos Bandeirantes, pelo menos quanto às magias de fantasia adaptadas a partir de religiões de matriz africana. Sei que ele ainda traz aquele mito das três raças, mas antes que se perca a fé na humanidade, quero aproveitar para indicar o livro Úrsula e outras histórias, de Maria Firmina dos Reis, que pode ser baixado gratuitamente no site da livraria da Câmara dos Deputados, que retrata a escravidão do ponto de vista de uma autora negra.
    Concordo que o RPG de mesa é a mídia ideal para desenvolver a empatia e a compaixão, por possibilitar que nós praticantes possamos assumir e vivenciar diversos papéis, diferentes identidades, coisa que só senti parecido em jogos eletrônicos de transformação (censura: 18 anos), em relação à questão trans.
    Minha tonalidade não é escura como a de minha esposa ou a de meu filho, sou até bem desbotado, mas sempre me identifiquei com o sofrimento dela de discriminação, não por eu ter sofrido racismo ou machismo, mas por minha infância de discriminação como nerd esquisito meio “asperger”, e acredito que a última bandeira de luta por respeito será a da neurodiversidade, contra a psicofobia, respeito às diversas personalidades, com seus recursos a contribuir e seus desamparos a serem assistidos! E acredito que sem essa compreensão, a humanidade nunca conseguirá contactar devidamente outras inteligências. Recomendo este tema de podcast para um dos próximos Janeiros Brancos ou em abril, pelo Dia Mundial da Conscientização do Autismo.

Deixe uma resposta para Jose Marcelo Cancelar resposta