Confira as fotos do Encontro D30 de Junho!

d30resistencia-6Estava frio na Esplanada às 8h30 quando chegamos à Biblioteca Nacional de Brasília, 12ºC, mas assim que começaram as mesas estava tudo divertido como sempre! A manhã lotou rápido e 65 pessoas se divertiram, como vocês podem ver nas fotos!

Mas à tarde o movimento não aumentou. Nós sempre nos preocupamos, e depois do último encontro (que teve gente jogando no chão!) até alugamos mais cadeiras, mas no final havia 80 pessoas apenas, 120 passaram pelo encontro no dia todo (a média é sempre perto de 200). O que foi muito legal por outro lado, porque pudemos conversar com mais tranquilidade com as pessoas, todos que trabalham no encontro puderam jogar, os mestres não foram sobrecarregados…

d30resistencia-50Agora, quem apareceu foi recompensado com mesas muito legais! Tivemos gente experimentando sistemas próprios, um com as histórias de Jurassic Park, e o Raklot do Gene Cavalcante – que inclusive foi testado por crianças. Os crossovers de Tormenta que sempre têm grande adesão, e foi muito massa o final com 10 sobreviventes! E também os sistemas consagrados como Call of Cthulhu, Shadowrun, Star Wars D20, Warhammer, Hi-Brazil, WoD, e X-COM usando Gurps (com cenário fodástico do Hackbarth!) e coisas mais recentes como Dungeon World, Old Dragon e Atomic Highway.

d30resistencia-86E no final apenas um mestre teve de fechar sua mesa sem jogadores. Nós da organização sempre cancelamos nossas mesas se houver mestres sem jogadores, então quando vimos que não faltariam mestres fomos cancelando, Janary, eu, André… todos tínhamos aventuras prontas, mas ficaram para a próxima vez!

Por isso a gente queria saber o que aconteceu? E fizemos uma pesquisa para isso, responda nosso questionário para melhorarmos da próxima vez!

Posted by D30 RPG on Quarta, 24 de junho de 2015

E aqui estão as fotos:

Obrigado a todos!

Sobre ML

M L escreveu 134 posts neste blog.

Gosta de fazer intriga em seus jogos, botar medo nos jogadores, e está sempre à procura do sistema perfeito de RPG.

Comments

  1. OUVI DIZER que nesse encontro D30 você só joga e só narra se for amigo dos organizadores. e se não for é muito difícil participar das atividades.
    Esta não é minha impressão, é a impressão de outras pessoas. Eu só parei de ir há muito tempo atrás porque já tenho minhas mesas fixas mesmo.

    1. Author

      Frank, isso não procede. Na verdade sempre precisamos de mestres, e ajudamos as pessoas a aprender a mestrar. Nesse último encontro, fora os 4 mestres do D30, eu conheci todos os outros 15 mestres nos própiros eventos. Como disse no txt, a gente até deixa de mestrar para dar a vez para os outros.

      E para jogar é só aparecer. Quando tem gente demais para a mesma mesa, o que acontece pouco, a gente sorteia na hora entre os interessados. Eu e outros organizadores até já mestramos duas vezes na mesma tarde pra atender todas as pessoas que queria, quando estava lotado.

      É uma pena alguém pensar assim… ô povo desunido esses jogadores de RPG 🙂

  2. Na verdade, mesmo que você tenha suas mesas fixas (como muitos de nós), vale a pena conhecer o evento por si próprio. Além de desmentir essa afirmação absurda que chegou até você, é uma excelente oportunidade de conhecer outro sistemas, cenários, pessoas.

    O evento sempre foi (desde sua concepção) um evento aberto a todos que queiram jogar, mestrar ou apenas bater papo com pessoas que dividem um mesmo interesse, o RPG.

    O D30 foi criado para isso. Não para fazer um evento apenas para um público, deixando todo o resto de fora.

  3. Participei da pesquisa. Já estive em dois outros eventos do D30 e ambos lotados. Eu entendo que é difícil saber qual vai ser a quantidade de pessoas que vão participar do evento. Mas é um pouco frustrante do ponto de vista do jogador tentar jogar em certas mesas e não ter mais espaço. Claro que tentar outros sistemas é interessante e a equipe do D30 sempre faz de tudo para colocar as pessoas que querem jogar nas mesas que ainda tem espaço, inclusive abrindo novas mesas na hora. Mas quem sabe tentar adequar a demanda dos jogadores pelas mesas seja um forma de mitigar um pouco essa frustração. Particularmente, não participei desse último evento já imaginando que não iria conseguir chegar a tempo de jogar na única mesa que tinha interesse.

    1. Author

      Franz, acho que também precisa ficar claro que isso não é um serviço… chamamos mestres que são voluntários, e o principal é a troca de experiências e conhecer pessoas novas para formar grupos e seguir jogando. 😉

      1. ML,
        Eu entendo que não é um serviço, nunca pensei que fosse, nem estou sugerindo que seja. Só digo que pode ser uma possível ideia verificar quantas pessoas pretendem participar do próximo evento e quais mesas ou sistemas tem maior interesse. Sem prejudicar a diversidade de mesas e sistemas já existentes nos eventos. Algo como entender o que as pessoas que participam dos eventos mais procuram. Minhas frustrações, por exemplo, podem ser apenas as frustrações de uma minoria, não relevante para o evento. Acho que se a ideia com a pesquisa é entender o porquê da baixa adesão do ultimo evento, identificar os participantes e suas expectativas pode ser uma forma de conseguir parte dessa resposta. Novamente, é apenas uma opinião.

        1. Author

          É uma ótima opinião, Franz, e levo em conta! só disse isso porque você falou em demanda… e no fundo o que ocorre é uma oferta voluntária dos mestres com suas mesas. Os mestres que participam da organização, eu inclusive, acabamos oferecendo coisas que faltam. tipo, se falta Cthulhu, D&D ou Tormenta, todos muito pedidos, a gente tenta abrir mesas.

          Mas isso já é um problema, porque nossas mesas acabam lotadas de gente querendo jogar só isso. Curiosamente, na pesquisa que fizemos antes sobre quem vai/foi ao evento o que as pessoas mais pediram fora isso foi “experimentar novos sistemas”.

          Quanto a cadastrar jogadores, fizemos isso por anos, mas se mostrou pior que a oganização de hoje. Talvez seja melhor do ponto de vista de uma pessoa, “pelo menos eu sei que conseguirei jogar naquela mesa que eu quero”, mas do ponto de vista do encontro e da comunidade se encontrar não era, porque as pessoas não iam se aquela mesa estivesse lotada. E o relato que mais temos é de pessoas que jogaram em mesas que não eram suas preferidas e o resultado foi ótimo… enfim, temos de pensar numa forma de incentivar coisas pros dois tipos, eu sei, mas não sei como fazer, pelo menos por enquanto!

  4. Concordo com tudo que colocou ML. É bastante complicado tentar equilibrar a “demanda x oferta” e isso é a grande dificuldade de promover o evento. Por isso que parabenizo toda a equipe do D30 por todo o esforço e sucesso (mesmo com alguns pequenos percalços) dos eventos. Acho bacana a intenção de melhorar sempre e espero poder colaborar com evento mestrando uma próxima vez.

    Não sabia que já existiu um cadastro de jogadores. Se a iniciativa não provou ser a mais eficiente, então que se mantenha a atual. Eu sou bastante flexível para aceitar opiniões e comprovações contrárias. O que importa, no final das conta, é a diversão e o RPG em si, independente do sistema.

  5. Foi a primeira vez que fui ao encontro e participei da mesa de D&D 5. Gostei muito e fiquei surpreendido com a organização, além do mestre que domina muito bem o jogo e a narrativa. Espero que tenha mais e que o encontro seja mensal. Estou ai pra contribuir. Daqui a alguns meses vou arriscar a mestrar. Parabéns aos organizadores, estarei presente sempre!

  6. Olá, Pessoal.
    Parabéns pela organização do Encontro de RPG. Vi as fotos e gostei bastante, deve ter sido muito legal participar do evento em Brasília. Meu nome é Guilherme Bampi, sou de Curitiba e desde os anos 90 sou aficionado por RPG. Tanto que estou lançando em dezembro/2015 o livro Saga em Othá – A Conquista do Império pela Editora All Print. O livro foi escrito com base no enredo desenvolvido na campanha de D&D da época. Segue o endereço do site sobre o livro: http://www.otha.com.br
    Abraços e sucesso aos próximos Encontros de RPG do Grupo D30.

Leave a Comment