Seja a heroína em Goddess Save the Queen

Quando era moleque, nos anos 1990, sempre quis jogar um RPG que tivesse uma pegada de aventura, pulp, que tivesse a ver com duas coisas que gostava bastante na época: os filmes do Indiana Jones e os jogos da Lara Croft (Tomb Raider). Como eu até hoje não arrisquei nenhum passo como game designer, só adaptei alguns jogos que curtia para se adequarem mais ao que eu queria.

E foi então que em 2018, chegou às minhas mãos um RPG com tudo isso que desejava: Goddess Save the Queen!

A temática do jogo é bem no estilo que falei antes, com aventuras que ocorrem entre os anos de 1920 e 1930, que é justamente o intervalo entre as duas grandes guerras mundiais. E é nesse cenário – de surgimento das agências de informação e serviços secretos – que nos é apresentado a divisão “Goddess Save the Queen”, do serviço de inteligência britânico, que tem o objetivo de localizar e neutralizar artefatos e outras relíquias poderosas de civilizações antigas. Precisa dizer mais?

Foi uma grata surpresa folhear (digitalmente) as páginas desse livro que tem leitura fácil, divertida e está todo diagramado como se fosse um documento da época em que se passa o jogo, com todo o estilo de material secreto de um serviço de inteligência governamental.

Bom, outra grande sacada do jogo é que pega carona no crescente movimento feminista para tornar as mulheres protagonistas. Desta forma, a divisão Goddess só contrata mulheres para suas missões secretas. Claro, tem todo um motivo da divisão ter sido criada dessa forma, mas é mais legal você ler o livro pra entender o porquê, já que isso faz parte da contextualização do cenário de jogo.

Falando nisso, as partidas giram em torno de missões especiais ultrassecretas em que as agentes precisam encontrar artefatos poderosos que possam desestabilizar o Império Britânico. Tudo começa com um briefing da missão e, a partir daí, a história vai se desenrolando em cenas que devem ser “resolvidas”. As decisões e descrições das protagonistas vão interferir diretamente nas cenas, alterando a narrativa, vencendo ou controlando uma resistência (que são os perigos e conflitos que podem atrapalhar as agentes).

Para realizar as ações em jogo, o sistema de regras usa uma pilha de dados que é baseada em características das personagens, desta forma é possível resolver resistências ou inserir elementos na história. Algumas características modificam a quantidade de dados base na pilha como, por exemplo, especialidade ou nacionalidade.

Além disso, independente do resultado da rolagem de dados, é possível escolher como gastar seus recursos da pilha para agir durante a cena. Outro ponto que ajuda a criar um clima de maior imersão no jogo é o Karma, um elemento da história da protagonista para determinada situação, seja de forma simbólica ou mais direta. Existem outros pontos legais nas regras, mas não é o objetivo explicitar tudo aqui, para isso o jogo está aí baratinho à venda, hahahaha!

O legal é que o livro faz um apanhado de situações, e ilustra muito bem as ideias do cenário, abordando viagens, missões, complicações em jogo, e explicando bastante como funciona tudo. E foi uma sacada maneira pensar no livro para pessoas que não estão acostumadas com RPG, mas também ser completo para quem já joga.

Esse é um jogo sobre ser uma heroína e enfrentar cultos antigos, criaturas bizarras, ter aventuras antológicas e salvar o Império Britânico, tudo isso baseado em lugares reais e muita mitologia. Para ajudar, são apresentados muitos exemplos de tudo, como também listas de filmes, games, HQs e outros RPGs para ambientar mestres e jogadores.  Enfim, é um jogo super maneiro e que vale muito ser conferido!

O RPG foi desenvolvido pelo Júlio Matos (que também fez o excelente UED – Você é a Resistência) e pela Carolina Neves, e está sob os cuidados da ótima Redbox Editora.

Então para quem se interessou uma dica quente: ele está com a pré-venda finalizando nessa sexta-feira (18/05). Mas daí você pode pensar “ah, é apenas a pré-venda, posso comprar a qualquer momento depois”. Sim, isso é verdade, porém apenas na pré-venda você vai receber duas aventuras escritas pelos criados do jogo, totalmente gratuitas! Isso talvez você não consiga depois, então vá lá conseguir sua cópia.

#GStQueen

Sobre Janary Damacena

Janary Damacena escreveu 99 posts neste blog.

Sempre interessado em narrações fantásticas e de horror, apreciador de boa interpretação e defensor da regra de ouro.

Leave a Comment